“PEDRA” BRUTA: REVESTIMENTOS RESGATAM ASPECTOS NATURAIS E AQUECEM A CASA

O correr do tempo e a necessidade de nos (re)conectarmos com a natureza vêm sendo percebidos de forma diferente, mais intensa, em especial no último ano por grande parte das pessoas. Basta deslizar a tela do smartphone e acompanhar uma rede social para sentir a urgência em repensar o ritmo do dia, o cuidar de uma (ou várias) planta(s), o aconchego cuidadoso com a casa que nos abriga. 

Os quatro novos revestimentos da Colormix dialogam com essas necessidades de maneiras particulares, desde sua concepção. Dois são baseados na rusticidade essencial das pedras brutas. Enquanto a segunda metade parte de elementos que resistem e se adaptam ao passar dos séculos. Todos foram pensados para deixar a casa mais acolhedora.

“Estamos em um processo de aperfeiçoamento dos produtos, para que os ambientes onde vivemos possam ser ainda mais aconchegantes. A natureza foi nossa inspiração”, conta Arthur Grangeia, arquiteto e diretor criativo da Colormix.

 

As ripas Casqueiro/ revestimento Rock
As ripas Casqueiro (à esq.) e o revestimento Rock, com 14 elementos componíveis, podem ser usados dentro e fora de casa [Imagem: Amanda Ferber para Colormix | Divulgação]

 

Brutos, mas afáveis

Feitos predominantemente de concreto, mas com reaproveitamento de 5% de descartes de outros processos produtivos da fábrica, os revestimentos cimentícios Rock e Casqueiro são indicados para o uso em paredes internas e externas. Ambos foram moldados à partir de pedras naturais e criam paginações que reproduzem as sensações dos materiais de origem. 

Rock foi o primeiro dos quatro a ser lançado e é o mais orgânico deles, no que se refere à forma. Com um módulo base de 14 elementos, permite a instalação paginada ou o ajuste via corte das peças, para que as juntas fiquem mais regulares. A gama de cores é vasta: são 14 matizes de vão de um branco calcário ao grafite passando por tons mais quentes e terrosos. 

As ripas Casqueiro levam o nome do fundo bruto do bloco de mármore, daquela última fatia possível quando as chapas vão sendo cortadas. É a “raspa do tacho”, uma casca com características peculiares e intocadas. Para este grupo são três dimensões (3×100; 5×100 e 7×100 cm), duas combinações possíveis com os módulos Bruto ou Frisado e, também, 14 cores na cartela.

 

As ripas Cooper Patina são inspiradas nas cúpulas oxidadas das igrejas e catedrais antigas | As imagens têm direção conceitual e criativa de Amanda Ferber e render por Aryelle Souza

 

A cor e a forma do tempo

As ripas Cooper Patina e a pietra Ruvida se referem a duas inspirações que têm a mão do homem em sua trajetória, mas não se furtam à ação implacável do que não controlamos. As ripas – que podem ser usadas em paredes internas e externas e em pisos internos – são coloridas de tons de verde e marrom, como as cúpulas de igrejas e catedrais antigas. As cores não são aleatórias, remetem à pátina que se forma aos poucos sobre as folhas e estruturas de cobre e acaba por protegê-lo por até centenas de anos. 

O último modelo é o pietra Ruvida, que pode ser traduzido do italiano como “pedra áspera” e faz menção às construções romanas compostas por pedras cortadas em blocos e assentadas com precisão. Os dois tipos de chapas (28×20 e 38×20 cm) criados pela Colormix têm textura para assegurar um aspecto rústico na medida, em até 14 cores de cimentício.

 

Instalar e manter

Arthur explica que os revestimentos cimentícios oferecem vantagens práticas em relação às pedras naturais (que precisam ser lapidadas) na hora da obra e na manutenção ao longo dos anos. Como são fabricados, quem compra tem controle sobre o resultado. Afinal, as cores e características podem ser previstas e a instalação é a mesma dos revestimentos comuns, com facilidade de recortes para perfeita adaptação às composições.

 

Ripas Casqueiro, aplicadas em fachada com elementos minimalistas, criam um visual moderno | Imagens com direção conceitual e criativa de Amanda Ferber e render por Aryelle Souza

 

 

Para os que desejam mantê-los com aspecto próximo ao do dia da aplicação, a empresa recomenda o uso de impermeabilização com hidrofugante, mesmo com a baixa porosidade das superfícies. “Mas para fachadas, acho incrível ver a ação do tempo sobre o material. O efeito fica ainda mais natural”, sugere o arquiteto.

 

Inspire-se

Seja em casa ou no apartamento, todo tipo de ambiente pode receber os revestimentos. Ares rústicos, mas não menos sofisticados são obtidos nas inspirações criadas pela arquiteta Amanda Ferber, founder & CEO do @architecture_hunter e renderizadas por Aryelle Souza à pedido da Colormix.

Nos projetos, Amanda usa os revestimentos em espaços que vão da piscina ao banheiro, passando por cozinha, quarto e fachada. Ela combina a rusticidade natural sugerida pelos materiais a panos de vidro, plantas vistosas, madeira em diferentes tons, móveis longilíneos e estruturas que oferecem dinamicidade ao conjunto, como pérgolas e paredes de cobogó. Um luxo.

 

O que você achou destas soluções de revestimento? Conta pra gente nos comentários. Para ver essas e outras belezas e conhecer um pouco mais do que a Colormix produz, é só acessar colormix.com.br.

 

 

Compartilhar

Share on facebook
Share on pinterest
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

DW! Newsletter

Assine nossa Newsletter e receba notícias exclusivas do festival e do universo do design, arquitetura e decoração. Cadastre seu e-mail:


    Você poderá cancelar a assinatura a qualquer momento.

    Consulte nossa política de privacidade.