acontece

Sopros: exposição reúne peças de vidro no estilo Edo Glass

DETALHES DO ACONTECIMENTO

DATA: 15 de dezembro de 2021 a 6 de março de 2022

HORÁRIO: De terça a sexta, das 10h às 18h; sábados, das 9h às 19h; domingos e feriados, das 9h às 18h.

LOCAL: Avenida Paulista, 52

A Japan House São Paulo inaugura o projeto Sopros, que traz peças utilitárias de vidro no estilo Edo Glass com design atual. Esse conjunto de técnicas artesanais de fabricação de vidros foi desenvolvido no Período Edo (séc. XVII a XIX) e se mantém ainda nos dias de hoje como símbolo da produção de Tóquio, no Japão. Duas mostras concomitantes revelarão a evolução da relação entre o tradicional e o atual por meio de itens produzidos por habilidosos artesãos nipônicos. Com entrada gratuita, o projeto poderá ser visitado até o dia 6 de março de 2022.

No piso térreo, a mostra conta com uma expografia que remete a um cenário industrial contrastante com a leveza, delicadeza e a transparência dos vidros, as peças indicam um pouco da vida cotidiana presente japonesa. Ao todo, são mais de 300 objetos utilitários como copos, vasos, pratos e pesos de papel, além de outros itens menos conhecidos pelo público brasileiro, como descansos para hashis e porta-onigiri (tradicional bolinho de arroz japonês).

Com curadoria de Natasha Barzaghi Geenen, diretora cultural da Japan House São Paulo, a mostra apresenta peças que utilizam técnicas basilares do estilo Edo Glass e tecnologias específicas, como é o caso da aplicação de cor em alguns objetos. Para Natasha, “a ideia principal é apresentar essa produção singular, cuja tradição é passada de geração em geração, além de seus usos, destacando o vidro como um material extremamente elegante e versátil. Seu processo produtivo envolve uma grande transformação física e química, passando por vários estados até se transformar em uma peça única que reflete a autoria dos artesãos envolvidos nesse desenvolvimento”.

Grande mote da exposição, a produção do vidro no Japão também estabelece um diálogo com o contexto dessa prática no Brasil, já que o desenvolvimento desse elemento nos dois países aconteceu em meados do século XVI por meio da presença europeia.

Já no primeiro andar da instituição, será possível ver diferentes técnicas aplicadas e aprimoradas no arquipélago japonês, as quais garantiram uma nova e singular linguagem acerca desse material, aliadas à criação de designs arrojados que ajudaram criar peças aptas para atender necessidades do cotidiano atual japonês. “Mais do que elementos decorativos ou funcionais, é interessante como essas peças revelam um estilo de vida do Japão. Além disso, a coexistência do tradicional com o contemporâneo também pode ser vista mais uma vez aqui, nesta exposição, como forma de vivenciar a estética atual que inúmeros artesãos desenvolveram a partir da técnica tradicional”, destaca Natasha.

Quem quiser visitar, pode fazer reserva online antecipada (opcional). A exposição conta com recursos de acessibilidade e a entrada é gratuita.

OUTROS ACONTECIMENTOS