ATITUDES SUSTENTÁVEIS? SIM, VOCÊ TAMBÉM PODE ENTRAR NESSA

Reduzir, reutilizar e reciclar são os 3 R’s que o meio ambiente precisa para um consumo mais consciente. Isso (espera-se!) não é novidade para ninguém. Mas entre saber da importância de minimizar o impacto ambiental causado pelo desperdício de materiais e produtos provenientes de recursos naturais e de fato ter atitudes que garantam a sustentabilidade da vida no planeta existe uma grande diferença. 

 

Duas peças da Petit Hermés: bolsa criada por Gustavo Lins e os pesos de papel desenvolvidos pela designer industrial Olivia Lee. | Foto: (1) Divulgação (2) Jonathan Frantini

 

Em todo o mundo, o tema sustentabilidade vem sendo aplicado no universo da moda, decoração e arte. De grifes internacionais a pequenos ateliês. A marca francesa Hermès mostra com maestria como é possível colocar a mão na massa e mudar o destino não apenas da matéria-prima e da sua produção, mas também do meio ambiente. A luxuosa empresa lançou a Petit h, uma oficina de recriação que destina materiais em desuso para artesãos empregarem na fabricação de itens únicos. O autor da ideia, diretor artístico Pascale Mussard, fala em alto e bom som: “Não jogamos nada fora”. Um dos exemplos de utensílios que renasceram das mãos de artistas são bolsas feitas de recortes de couro e feltro, criadas pelo renomado costureiro brasileiro Gustavo Lins. 

 

Oleiros customizados com excedentes das coleções anteriores da Loewe | Fotos: Divulgação

 

Mais uma versão de bolsa feita de materiais excedentes de coleções anteriores é a Woven Basket, da espanhola Loewe. Um verdadeiro mosaico de cor e textura, a peça é feita de tiras finas trançadas como uma única formação de treliça. Parte do The Surplus Project, lançado pela empresa em 2021, representa uma nova maneira de repensar e reutilizar sobras de materiais para criar algo de baixo impacto. A grife também investiu tiras de tecido e de couro, fios de lã, penas e palha – excedentes das coleções anteriores – numa coleção limitada de potes de barro feitos à mão pelo mestre oleiro Antonio Pereira. Cada peça se tornou uma tela para artistas internacionais explorarem uma gama de técnicas de tecelagem. 

Aqui no Brasil, a Empório Beraldin é um exemplo. Desde sua abertura, em 1994, trabalha somente com produtos feitos com matérias-primas 100% naturais, de alta qualidade e produzidos por hábeis mãos de artesãos. Além dessas características, promove outros processos que vão ao encontro desse conceito. Veja alguns deles a seguir:

 

DESCARTAR? JAMAIS

Almofadas Aprendiz
Almofadas Aprendiz feitas com sobras de fios e tecidos da Empório Beraldin | Fotos: Divulgação

 

Reduzir a necessidade de explorar novas matérias-primas é uma das conquistas do Empório Beraldin. Pensando em atitudes mais sustentáveis, em vez de descartar tecidos e fios do acervo, a empresa reaproveita os resíduos e materiais para criar novos itens. Conhecida como Upcycling ou reutilização criativa, a técnica – e também nome do projeto Beraldin – transforma peças únicas e exclusivas, em teares manuais.

 

Almofadas Aprendiz
Almofadas Aprendiz feitas com sobras de fios e tecidos da Empório Beraldin | Fotos: Divulgação

 

Com um novo e melhor propósito, esses materiais viram, por exemplo, peseiras para cama. Feitas com tecidos e passamanarias que a priori não seriam utilizados, elas arrematam o enxoval de cama acrescentando charme à decoração e tornando mais prático o dia a dia. As almofadas Aprendiz, que também utilizam fios e tecidos que seriam descartados, são mais uma alternativa sustentável da empresa, já que reduzem a necessidade de exploração de matérias-primas para a criação de novos modelos de capas de almofadas.   

 

RENOVAR: PALAVRA DE ORDEM

Está bem, renovar não faz parte dos famosos 3 R’s a que nos referimos no início do texto. Mas não há como negar que tem tudo a ver com o conceito de sustentabilidade aqui exposto. Afinal, qual o sentido de comprar um outro móvel se o usado pode ser recuperado? Foi pensando nisso que a Empório Beraldin lançou o Programa Renova. A fim de evitar o descarte, a empresa restaura estofados danificados, revestimentos estragados, pés desgastados, madeiras ou pinturas riscadas, couros rasgados ou outros problemas com o mobiliário da marca. E o que é melhor, com a mesma expertise técnica do produto original e garantia de qualidade. 

De qualquer forma, se o assunto é sustentabilidade não há dúvida que dará pano para manga. Isso porque o tema envolve questões sociais, políticas, culturais, ambientais e muitas outras, claro, de extrema complexidade. Mas você, consumidor, precisa saber de algo básico e simples. Se busca um consumo mais consciente é fundamental que tenha a convicção que a mudança de comportamento é a principal forma de contribuir com a sustentabilidade.

Comprar um produto que siga a tendência ecodesign – ou seja, que reduza o impacto ambiental – pode parecer uma atitude pequena ou aleatória, mas, tenha a certeza, não é. Um consumo menos predatório e inconsequente pode trazer grandes resultados no panorama geral. Portanto, busque conhecer as iniciativas que as marcas desenvolvem em prol da sustentabilidade. Você pode se surpreender com a importância crescente dada ao tema. 

Para saber mais sobre as ações de sustentabilidade da Empório Beraldin, acesse emporioberaldin.com.br

 

Compartilhar

Share on facebook
Share on pinterest
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

DW! Newsletter

Assine nossa Newsletter e receba notícias exclusivas do festival e do universo do design, arquitetura e decoração. Cadastre seu e-mail:


    Você poderá cancelar a assinatura a qualquer momento.

    Consulte nossa política de privacidade.